Follow by Email

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Entrevista com vereadora Onira Betioli



1 - A luta pelos direitos políticos das mulheres é antiga. Somente em 1932 a mulher conseguiu o direito de voto, porém, apenas as casadas e com a autorização dos respectivos maridos. Atualmente o Brasil tem uma Presidente mulher e Peruíbe tem a segunda mulher como prefeita. Você é vereadora em seu terceiro mandato. Como você avalia esse processo da inserção da mulher na política e quais os resultados efetivos que as mulheres conquistam e que os homens não investem ou não compreendem ou não valorizam?
Apesar das conquistas recentes, há um longo caminho a ser trilhado para maior igualdade entre os gêneros. Se hoje temos uma mulher na presidência da República, constatamos uma clara subrrepresentação da mulher na política e nos espaços de Poder. Exemplo disso é que apesar das mulheres serem 51,04% da população brasileira, em 2010, dos 1.059 deputados estaduais eleitos, apenas 136 são mulheres (ou seja, 12,8%); na Câmara Federal são apenas 45 mulheres (8,96%) num universo de 513 parlamentares.
Nas Câmaras municipais somos 12,3% vereadoras e nos Governos dos Estados no ano passado elegemos apenas duas governadoras nos 27 Estados da Federação.
Portanto se faz necessário que haja condições de igualdade entre homens e mulheres, maior incentivo nos partidos políticos e na sociedade, cotas nas mesas diretoras dos Parlamentos entre outras medidas.

2 - Apesar das conquistas, as mulheres ainda enfrentam muitas dificuldades. Aproximadamente a cada 2 minutos uma mulher é espancada no País. Mesmo existindo a Lei Maria da Penha, verifica-se que a impunidade aos que provocam a violência ainda é comum. Ainda há o caso da desigualdade de sexo e de cor, pois as mulheres negras enfrentam maiores dificuldades do que as mulheres brancas. O que é preciso fazer para mudar esse quadro?
Em relação a violência, além da punição efetiva dos agressores, há que mudar a cultura machista que ainda temos em nossa sociedade. Também políticas públicas para a garantia de espaços e oportunidades de emprego de qualidade, salário adequado e incentivo para as mulheres no mundo do trabalho, inclusive, rompendo com o preconceito de cor e de raça.

3 - Você é vereadora no terceiro mandato, tem uma história ligada ao movimento sindical dos professores, com uma atuação intensa na defesa dos direitos dos trabalhadores e da população em geral. Pela sua trajetória política e crescente, tudo indica que seu próximo passo seria a candidatura a prefeitura de Peruíbe. O que me diz sobre essa questão?
Estamos dialogando com as forças política locais para construirmos uma candidatura sólida, propositiva e madura. Com a experiência de três mandatos, dez anos de Parlamento Municipal e ter presidido a Câmara Municipal e sido líder do Governo do ex-prefeito Preto, tenho a responsabilidade de colocar meu nome como pré-candidata à prefeita nas eleições de 2012.
Acredito que posso contribuir para o debate e para o desenvolvimento do município. Entendo que Peruíbe precisa de uma nova atitude, de um novo projeto, que atenda os interesses da população com justiça social.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Entrevista com Prefeita Milena Bargieri



ILP - Como a primeira mulher eleita Prefeita em Peruíbe, como a senhora avalia a importância de uma mulher a frente do governo municipal? Qual a sua avaliação sobre a atuação da mulher na sociedade atual?

Prefeita Milena Bargieri - Ver o avanço da mulher no Brasil e em vários lugares do mundo demonstra que a igualdade e a democracia tem-se tornado valores inerentes da nossa sociedade. Sabemos que há ainda um longo espaço a percorrer e alcançar, contudo, as mulheres são exemplo de superação e determinação.

ILP - As mulheres são as principais vítimas da violência doméstica no país, como prefeita e advogada, quais as suas propostas para mudar essa situação? A Lei Maria da Penha tem sido eficaz no combate à violência contra as mulheres?


MB - Eu acredito e levanto a Bandeira da Educação, ao meu ver único caminho transformador das pessoas e conseqüentemente, da sociedade. Investir em educação de qualidade garantirá que em alguns anos teremos uma sociedade mais livre, justa e igualitária.
Quanto a questão da lei “Maria da penha”, acredito que foi um avanço, mas certamente não resolverá um problema cultural e educacional. É necessário mexer com valores, por isso insisto que o grande caminho é a Educação, valorizando também a religião.


ILP - Em sua opinião o que as mulheres precisam fazer para fortalecer os seus direitos, assegurando que independente de classe social possam exercer plenamente a cidadania e vivam com dignidade?
MB-A melhor forma de valorizar o Direito da mulher é que inicialmente cada uma se valorize pelo que é, ser humano capaz e cheio de vitalidade. Auto-estima elevada, concientização, valorização, garra e determinação são valores fundamentais a qualquer pessoa, seja homem ou mulher.

ILP - Quais tem sido as ações de seu governo voltadas ao fortalecimento da dignidade e visando assegurar os direitos e a plena cidadania da mulher na cidade?

MB - as grandes ações estão voltadas a área da educação, geração de renda, saúde, habitação e obras. Acredito que o ser humano ´´e complexo e para que tenha auto estima elevada e seja saudável, precisa ter oportunidades, é para isso que estamos trabalhando incansavelmente.

ILP - Por fim, pedimos a sua opinião sobre a criação do Sistema Integrado de Comunicação e Immprensa de Peruíbe, o qual atuará por meio de vários veículos buscando prestar um serviço à população da cidade?

MB - Entendo que todo meio de comunicação tem valor inestimável, pois, retrata a voz popular e leva informação. Fico feliz de Peruíbe dar mais esse passo rumo ao desenvolvimento econômico e social. Estou a disposição.

Entrevista com vereador Emer Elias Abou - Presidente da Câmara Municipal de Peruíbe




1 - Presidente Emer, estamos lançando o Sistema Integrado de Comunicação e Imprensa de Peruíbe, o (SICIP), que atua na TV, rádio, internet, jornal impresso Imprensa Livre Peruíbe e a implantação de uma revista, com a proposta de desenvolver um jornalismo comprometido com os interesses da população, uma inovação e integração no sistema de comunicação, inédito na cidade e até mesmo na região. Qual a sua opinião sobre a criação desse sistema integrado, cuja proposta é levar informação de conteúdo para a população?

É um serviço de grande importância e utilidade para o Município, e será sempre bem vindo, pois, a população precisa acompanhar os acontecimentos da cidade, e isso só é possível por este meio de comunicação.


2 - Recentemente, durante uma entrevista no programa Câmara em ação, também mídia do SICIP, você destacou que iria disponibilizar no site da Câmara a prestação de contas da Casa. Essas informações já estão disponibilizadas?

Já está disponível o serviço da Lei da Transparência desde o dia 18 de fevereiro do corrente ano, quem quiser acessar no site da Câmara para ver os gastos, o endereço é www.camaraperuibe.sp.gov.br, foi disponibilizado todos os gastos do Poder Legislativo desde o início do ano. Por quê? Porque a população muitas vezes tem dúvidas sobre os gastos dos Vereadores, sendo assim eles têm o direito de saber onde foi gasto o dinheiro do Poder Legislativo. E este serviço é para servir de exemplo para que os outros Poderes também façam valer a Lei da Transparência.


3 - Segundo sua trajetória crescente como político de respeito da cidade, seu próximo passo seria a candidatura a prefeitura da cidade. Você pensa em se candidatar para a próxima eleição?

Tenho intenções, sou um Pré-Candidato perante a população, se nas próximas eleições sair como candidato a Prefeito, ficarei honrado se a população me escolher para cuidar do nosso Município. E quero aqui dizer que tudo o que é feito no Poder Legislativo, não se refere a minha candidatura, apenas estou cumprindo o meu dever e realizando tudo aquilo que já deveria ter sido realizado.

4 - Quais os candidatos que já confirmaram oficialmente suas candidaturas? Não tenho informações quanto a candidatos oficiais, pois, existem vários pré-candidatos, porém não posso confirmar quais são os candidatos, por não estar ainda na época das eleições.



5- Já que esse é o mês considerado simbolicamente da mulher, gostaria de emitir sua opinião sobre a inclusão das mulheres na política?

As mulheres tem que participar, não somente na política, como em todos os setores que administrem o Brasil, pois, elas são decididas, dedicadas, tomam atitudes que chegam a ser iguais ou até superior que as dos homens. Toda mulher tem que participar, tendo um respaldo do conhecimento da política, pode ter certeza que ela fará um ótimo mandato, igual ao do homem. Então eu acho que é muito importante as mulheres estarem no meio da política, inclusive temos duas Vereadoras na cidade, que atuam muito bem dentro da Câmara Municipal.

6 - O que acha sobre as conquistas das mulheres até o presente momento, de uma forma geral, seja na política, na vida acadêmica, no dia-a-dia como um todo?

Gostaria de comentar essa evolução? A mulher teve uma grande
conquista mostrando sua capacidade, que não é nada inferior à do homem, então com isso ela tem um mérito de sempre estar crescendo cada vez mais.
Você acha que elas vão superar os homens na política? Por quê? Não tenho como opinar se a mulher vai superar o homem na política, pois, cada um tem sua inteligência e sua sabedoria, então nunca devemos duvidar da capacidade da mulher e nem do homem, porque os dois têm o mesmo tipo de raciocínio, então vai depender da pessoa, não do cargo.